Penha Roots é opção para quem quer curtir música e natureza durante o verão

Penha Roots é opção para quem quer curtir música e natureza durante o verão

Para quem procura uma programação diferente das praias durante o verão, o Festival Penha Roots, que acontece durante os dias 17, 18 e 19 de janeiro, em Patrimônio da Penha, distrito de Divino de São Lourenço, oferece um contato direto com a natureza, com trilhas pelas matas, som ambiente dos animais, muitas cachoeiras e música de primeira qualidade.

Expoentes do reggae como Ponto de Equilíbrio, Projetos Raízes (com integrantes do Java Roots, Macucos e Salvação Reggae Band), B-Melão, entre outros, e atrações de destaque no cenário do forró pé de serra, como Trio Mafuá, Trio Lamparão, Black do Acordeon e diversos conjuntos do segmento, vão transformar, mais uma vez, o místico distrito da região do Caparaó em uma grande festa de paz e harmonia.

Os interessados devem se apressar para garantir os ingressos, que estão no primeiro lote e em breve haverá virada. Os valores são R$ 50 para um dia e R$ 90 o pacote para dois dias, válido para meia-entrada ou “Entrada Solidária”, mediante a entrega de 1 kg de alimento não perecível. Toda arrecadação será entregue a Associação Pestalozzi de Divino de São Lourenço que realiza um trabalho de maestria com pessoas que sofrem com deficiência intelectual e/ou múltipla.

Venda de ingressos

Os ingressos já podem ser encontrados em pontos de vendas físicos. No Espírito Santo: no Restaurante Portal, em Patrimônio da Penha; Rosa Vermelha, em Guaçuí e Alegre; GM Modas (Shopping Sul), em Cachoeiro de Itapemirim; Loja Praia Jardim da Penha (próxima ao Shopping Jardins), em Vitória; e Loja SktMafia (em frente ao Shopping Vila Velha), em Via Velha. Em Minas Gerais os ingressos podem ser encontrados na loja Life Man, em Carangola; e Açaí Mais Sabor, em Espera Feliz. Já no Estado do Rio de Janeiro na Tales Tabacaria (próximo a Estácio de Sá), em Campos dos Goytacazes; Barato Tabacaria, em Itaperuna; e Tabacaria Dog Ruddy, em Bom Jesus do Itabapoana. E também nas vendas online pelo site www.eventbrite.com.br.

Sorteio

O perfil oficial do Festival Penha Roots no Instagram (@penharoots) está preparando uma super promoção para seus seguidores. Será sorteado no dia 1º de dezembro três pacotes e uma garrafa de catuaba.

Para participar é só seguir estas regras: sega o perfil @penharoots; curta a foto oficial da promoção; marque três amigos nos comentários (quanto mais participar, maior a chance de ganhar). Depois é torcer muito para ser o felizardo. Mais informações pelo site www.festivalpenharoots.com.br ou pelo WhatsApp oficial (28) 99906-7726.

Programação

Sexta-Feira (17/1)

Abertura dos portões às 19h

– Trio Mafuá (ES)

– Trio Estopim (RJ)

– Nando Nogueira (SP)

* Dj’s Du Beco e Fabrício Bravim

Sábado (18/1)

Abertura dos portões às 19h

– Trio Lamparão (RJ)

– Projeto Raízes (ES)

(Java Roots, Macucos e Salvação Reggae Band)

– Ponto de Equilíbrio (RJ)

* Dj’s Du Beco e Fabrício Bravim

Domingo (19/1)

Abertura dos portões às 12h – Entrada Franca

– Black do Acordeon (ES)

– Trio Vinil (ES)

– B-Melão (ES)

* Dj’s Du Beco e Fabrício Bravim

Penha Roots abre venda online de lote promocional e divulga programação completa

Penha Roots abre venda online de lote promocional e divulga programação completa

Na manhã desta quarta-feira (23), o Penha Roots, que acontece entre os dias 17 a 19 de Janeiro de 2020, em Patrimônio da Penha, distrito de Divino de São Lourenço, abriu um lote promocional de ingressos de venda online e divulgou a programação completa do evento.

O festival de reggae e forró pé de serra da região do Caparaó, que é produzido pelo Grupo Folha do Caparaó, traz para este ano nomes como: Ponto de Equilíbrio, Trio Mafuá, Trio Estopim, Nando Nogueira, Trio Lamparão, Projeto Raízes (Java Roots, Macucos e Salvação Reggae Band juntos no palco), Black do Acordeon, Trio Vinil, B-Melão, além de Dj’s Du Beco e Fabrício Bravim animando durante os intervalos dos shows.

Além da estrutura de alto nível preparada pela produção do GFC Eventos, outra novidade para o 2º Penha Roots será o ambiente coberto, evitando qualquer contratempo com as possíveis chuvas de verão. Além dos shows, o público poderá desfrutar do espaço voltado para a cultura, arte e gastronomia, com praça de alimentação diversificada e cerveja artesanal.

 

O lote promocional oferta ingressos por dia no valor de R$ 40 (meia entrada/solidária) e R$ 80 (inteira). Também está disponível o pacote para os dois dias no valor de R$ 70 (meia entrada/solidária) e R$ 140 (inteira). No domingo a programação será gratuita. Para a entrada solidária, é necessário levar um quilo de alimento não perecível. O lote promocional valerá por 72 horas e pode ser comprado pelo link www.eventbrite.com.br.

Programação:

Sexta-Feira (17/1)

Abertura dos portões às 19h

– Mafuá (ES)

– Trio Estopim (RJ)

– Nando Nogueira (SP)

* Dj’s Du Beco e Fabrício Bravim

Sábado (18/1)

Abertura dos portões às 19h

– Trio Lamparão (RJ)

– Projeto Raízes (ES)

(Java Roots, Macucos e Salvação Reggae Band)

– Ponto de Equilíbrio (RJ)

* Dj’s Du Beco e Fabrício Bravim

Domingo (19/1)

Abertura dos portões às 12h – Entrada Franca

– Black do Acordeon (ES)

– Trio Vinil (ES)

– B-Melão (ES)

* Dj’s Du Beco e Fabrício Bravim

Vendas online

www.eventbrite.com.br.

Ponto de Equilíbrio é a atração principal do Festival Penha Roots 2020

Ponto de Equilíbrio é a atração principal do Festival Penha Roots 2020

A banda de reggae Ponto de Equilíbrio será a atração principal da segunda edição do Festival Penha Roots, que acontecerá entre os dias 17 e 19 de janeiro de 2020, em Patrimônio da Penha, distrito de Divino de São Lourenço.

O festival, que já trouxe bandas referências no reggae como Mato Seco, Herança Negra, Cidade do Reggae, Lion Jump, entre outros, trará desta vez um dos maiores nomes do reggae nacional para a região do Caparaó. A promessa é de um verdadeiro espetáculo de vibração e positividade.

 

Forró

 

Para a segunda edição, o evento realizado pelo GFC Eventos, que integra o Grupo Folha do Caparaó de Comunicação, dará maior ênfase ao forró pé de serra, trazendo grandes nomes do cenário nacional que serão divulgados em breve.

Segundo um dos organizadores do evento, Eduardo Klein, o Penha Roots 2020 será recheado de novidades, mas os apaixonados pelo “arrasta pé” terão uma atenção especial.

“Os amantes do forró pé de serra e suas vertentes, agora terão mais motivos para curtir o evento que será dedicado ao estilo. Assim como ocorre no Festival Internacional de Itaúnas, o Penha Roots promete não vai deixar ninguém parado”, afirma Eduardo.

Além da estrutura de alto nível preparada pela produção do GFC Eventos, outra novidade para o 2º Penha Roots será o ambiente coberto, evitando qualquer contratempo com as possíveis chuvas de verão. Além dos shows, o público poderá desfrutar do espaço voltado para a cultura, arte e gastronomia, com praça de alimentação diversificada e cerveja artesanal.

Para a edição do ano que vem, a produção informa que não serão vendidos pacotes, apenas valores ingressos individuais para cada dia. No domingo, a programação continuará aberta ao público e dedicada a atrações regionais que trarão muito forró e reggae.

Vendas

As vendas terão início nesta terça (22), com ingressos promocionais e limitados. Os valores serão divulgados junto aos pontos de venda na Grande Vitória, Cachoeiro de Itapemirim, Alegre e Guaçuí, no Espírito Santo; além de Bom Jesus do Itabapoana e Itaperuna, no Rio de Janeiro; e em Espera Feliz e Manhuaçu, em Minas Gerais. Também estão disponíveis online pelo site www.eventbrite.com.br/

Faltam 9 dias: um show de troca de energia entre o público do Penha Roots e o Forrofiá

Faltam 9 dias: um show de troca de energia entre o público
do Penha Roots e o Forrofiá

Patrimônio da Penha é uma pequena vila do município de Divino de São Lourenço, na região do Caparaó, rodeada de cachoeiras e trilhas na natureza. Apesar de pequena, tem um povo hospitaleiro e sua noite é animada e mística. E por isso foi escolhida para ser palco do festival Penha Roots, que acontece durante os dias 15 a 17 deste mês.
Entre os três dias de programação a diversidade e positividade estará presente com bandas de reggae, forró pé de serra e DJ’s para animar o público. Uma das atrações que promete uma intensa troca de energia com os presentes é o Forrofiá. E para quem quer apreciar o forró pé de serra, essa é a hora de aproveitar.
O grupo é formado por músicos de vários estados, mas todos residentes em Vitória. Traz, há aproximadamente um ano, em seu repertório uma mescla de composições autorais e junto a músicas já conhecidas do segmento, de artistas como Luiz Gonzaga, Trio Nordestino, Dominguinhos, Chama Chuva, entre tantos outros. Apesar de já conhecerem a região, esta será a primeira apresentação do quarteto no Caparaó.
“Nós já conhecemos a mística desse lugar tão maravilhoso. Muito verde, cachoeiras e a vibe positiva de sempre. A mística já diz por si, mas estamos preparando um repertório variado, com muito balanço e amor, escolhido a dedo para agradar o público”, destaca o vocalista Tomás dos Santos Bergamin.
Composto por Tomás dos Santos Bergamin, nos vocais e cavaquinho; Gustavo Henrique, na sanfona; Luiz Marreta, na zabumba; e Gabriel Maxuca, no triângulo, o grupo acredita na importância de mostrar para as novas gerações o que é o forró pé de serra, além de mostrar como o gênero contribuiu para que o forró, de hoje em dia, chegasse até a grande massa.
“Fora do Brasil o nosso forró pé de serra está sendo reconhecido e reverenciado por estrangeiros que se deixam levar pela batida e pela dança. E todos nós sabemos que, com um bom repertório, bem tocado e um bom parceiro de dança, ninguém fica parado”, brinca Bergamin.
O Forrofiá reforça que o Penha Roots pode esperar um show de entrega ao público. Repleto de alegria, interatividade, troca de energia, muitos corpos dançando colados e uma cadência gostosa que vai envolver todos os presentes. “A galera pode esperar um show para guardar na memória. Vamos curtir esse lugar maravilhoso com muita alegria, respeitando o próximo, e aproveitando esse festival maravilhoso que está sendo feito com muito carinho, amor e responsabilidade para vocês”, finaliza Tomás.

Meio ambiente, segurança e música em harmonia no Penha Roots

Além de boa música e energia positiva, segurança e meio ambiente estarão em evidência durante o Festival “Penha Roots”, que acontece entre os dias 15 e 17 deste mês, em Patrimônio da Penha, distrito de Divino de São Lourenço. A organização do evento tomou uma série de medidas para garantir que o evento ocorra em harmonia com a natureza e em clima de paz, garantindo o sucesso total do evento.
O festival de reggae e forró pé de serra, que foi criado com o objetivo de levar ao Caparaó os turistas que não conhecem as belezas naturais da região, para fomentar o turismo e a economia local, tem como foco a sustentabilidade, segurança e preocupação com o meio ambiente, destaca Elias Carvalho, um dos organizadores do evento.
“Quando idealizamos o Penha Roots a nossa primeira preocupação foi em não causar um impacto ambiental e promover um turismo consciente. Quando temos um turismo forte, a comunidade tem menos dependência do poder público, que por sua vez tem que cuidar das estruturas, como estradas, energia elétrica e água. A comunidade que recebe os turista tem que ajudar fiscalizando e orientando para que não façam ações prejudiciais à natureza”, explica Elias.
A segurança é outro aspecto que o “Penha Roots” tem estruturado com muita atenção. Foram contratados seguranças particulares que ajudarão no trânsito da região, evitando transtornos. Além de uma parceria com o Governo do Estado com a Polícia Militar.
Conscientização e sustentabilidade
Durante o festival, os locutores do evento estarão conscientizando o público para que mantenha o ambiente sempre limpo, não faça churrasco nas cachoeiras e trilhas de Patrimônio da Penha. Também será feito um trabalho de orientação por meio dos veículos de comunicação. Lixeiras sinalizadas também estarão disponíveis por todo o local.
Outra medida visa reduzir o uso de descartáveis. O “Penha Roots” terá a disposição dos participantes a opção de adquirir o copo ecológico, ou copo verde, no início do evento. Quem quiser devolver o copo no final do festival poderá reaver o dinheiro de volta.

Menos papel
O ingresso online é outra medida sustentável para que não seja necessária a impressão em papel. Basta que leve o ingresso digital no celular e a leitura será feita diretamente do smartphone.
A organização também sugere que as pessoas possam aderir à “carona solidária”, para evitar menos carros nas estradas e, ainda, incentivando um bom relacionamento interpessoal e facilitando para pessoas de outras cidades que queiram chegar à comunidade.
“Nós queremos realizar um ótimo evento e gerar recursos para Patrimônio da Penha, minimizando o impacto ambiental na região. Sabemos que esse festival trará um impulso financeiro de grande relevância para os moradores da comunidade em um momento de crise econômica que o Brasil vive”, lembra Carvalho.

Trio Dona Zefa toca na cadência dos corações dos apaixonados em Patrimônio da Penha

Arrasta-pé, baião, xote, todos dançados em pares com o clássico “abraço fechado” e o “dois pra lá e dois pra cá”, o forró é um dos gêneros mais cativantes e mais tocados em todo mundo.
O festival Penha Roots, que acontece durante os dias 15 a 17 de fevereiro, em Patrimônio da Penha, distrito de Divino de São Lourenço, traz para o seu público, grupos do gênero.
Criado em Campinas, interior de São Paulo, o Trio Dona Zefa, vem há 17 anos mostrando ser um dos maiores grupos de forró existente na atualidade. A zabumba inconfundível de Murillo Ramalho, a voz e composições únicas de Danilo Ramalho, e a sanfona sempre emocionante de Milla do Acordeon são a química perfeita para fazer todos dançarem.
“Nós somos filhos de nordestinos. Dona Zefa é o nome da minha mãe e do Murillo, somos influenciados principalmente pelo meu pai, que é forrozeiro e escutava muito Luiz Gonzaga. Desde criança escutamos em casa e não perdemos isso, desde que nascemos”, explica Danilo.
Com experiências internacionais com shows na Europa e festivais competitivos nacionais como o de Itaúnas, em 2004, onde levaram o prêmio em primeiro lugar com uma música autoral, o Trio Dona Zefa toca pela primeira vez na região do Caparaó e se identifica com a espiritualidade, energia positiva e autoconhecimento. “Participar do Penha Roots, nessa região que respira misticismo, esoterismo e espiritualidade é nossa praia. A gente vive isso, tentamos sempre ser o mais limpo possível nessa sujeira toda que vivemos. A gente sempre tenta se manter positivo e com alma leve… tem tudo a ver com a gente”, destaca.
O grupo já lançou cinco CDs, dois LPs e um DVD. Entre as parcerias estão grandes nomes como Dominguinhos e Genival Lacerda. Desde o começo, o trio tem como principal objetivo mostrar o autêntico forró pé de serra, com todas as suas belezas e peculiaridades.
“O público pode esperar um show bem swingado para as pessoas dançarem, com letras passando mensagens lindas de amor, brincadeiras e sorrisos. Além de clássicos do forró pé de serra, que as pessoas conhecem bastante”, conta o vocalista.
O trio diz que a interação entre reggae e forró vem resultando em ótimos eventos, onde as canções procuram mostrar os pontos bons e ruins da vida passando uma energia positiva para o público.
“Nós queremos convidar a todos os meninos e meninas capixabas e de regiões vizinhas para que participem do Penha Roots e deixe o corpo e a mente livres, na cadência dos corações dos apaixonados”, finaliza Danilo.

Os legados culturais da região do Caparaó refletidos na música do Herança Negra

A comunidade de Patrimônio da Penha possui uma áurea roots, mergulhada no misticismo, esoterismo e alta espiritualidade. O Festival “Penha Roots”, que acontece entre os dias 15 a 17 de fevereiro, no distrito de Divino de São Lourenço, mistura todos esses elementos junto à positividade do reggae e a troca de energia do forró pé de serra.
Formada em Vitória, no ano de 1995, a banda capixaba Herança Negra faz música inspirada nas origens do povo negro, trazendo uma alusão à própria história de vida de cada um dos membros da banda. A diversidade musical brasileira e de outros ritmos também é incorporada ao repertório mesclando soul, funk, rock, reggae e samba em suas canções.
O grupo formado por Jura Fernandes, na guitarra; Jon Santos, no vocal; Kimna, na guitarra; Barol, no teclado; Yohanna, na bateria; e Nelinho, no baixo, foi uma das atrações do memorável festival capixaba “Dia D”, e apesar de já terem tocado em 80% do Espírito Santo, este será o debute na região do Caparaó capixaba.
“Tocamos em quase 80% do Estado, mas no Caparaó será nossa primeira vez. Quando a energia é boa e positiva isso transcende. O reggae nos traz isso né?! Toda essa vibe e positividade. Vamos chegar cedo para aproveitar, sentir um pouco e nos mergulharmos ainda mais nesta áurea. Estamos ansiosos, vimos fotos e vídeos e queremos dar uma turistada”, conta do tecladista Barol.
Herança Negra levará para o “Penha Roots” o show da turnê 2k19, além de músicas já conhecidas do público dos discos anteriores. Mesmo com uma mistura de estilos, o reggae será a espinha dorsal do show, explica o baixista Nelinho. “Música é vibração que toca o espírito e nesse show ele vai balançar muito. Sempre ouvimos falar que o Caparaó é um lugar lindo, de vibe muito alta. Achamos que o momento é propício para um som que fala de igualdade, paz, união, amor a natureza, amor ao próximo e no divino. Acho que estamos precisando disso nestes tempos”, destaca.
Já o baterista Yohan afirma que a entrega vai ser total na apresentação. Para ele o cenário do reggae está se evidenciando novamente, onde a música traz todo o cenário negro junto, como a cor da pele, tipo do cabelo e todas as heranças negras das pessoas. “A galera pode esperar uma troca de energia, positive vibrations e muitas músicas para cantarmos juntos. Penha Roots se prepare que o Herança está chegando pra fazer vocês dançarem bastante. Fevereiro, Penha Roots, Caparaó e Herança. Vai ser mágico!”, finaliza Yohan.

Cidade do Reggae promete apresentação para transformar Patrimônio da Penha

Uma apresentação para transformar o distrito de Patrimônio da Penha na cidade do reggae. É o que a banda Cidade do Reggae promete para o show no festival “Penha Roots”, que acontece durante os dias 15 a 17 de fevereiro, no distrito de Divino de São Lourenço.
A banda, de Vila Velha, teve início em abril de 2012 com o intuito de levar música e trabalhos sociais para deficientes visuais em escolas e comunidades. E não demorou muito para banda cair na estrada e ganhar notoriedade no cenário do reggae nacional.
No ano de 2013, seguiram pela sua primeira turnê pela Itália, abrindo show de bandas internacionais do cenário. Em 2014, a banda participou do Programa Super Star, da Rede Globo, e foi apadrinhada pelo cantor Fábio Jr. Em 2015 o Cidade do Reggae ganhou o prêmio “Palco MP3”, no ritmo reggae, como a banda mais ouvida do Brasil com mais de 3,5 milhões de plays e mais de 200 mil downloads do álbum.
Segundo o guitarrista Alan Reis, nenhum dos integrantes conhece a região do Caparaó, mas já planeja uma volta, junto ao vocalista Solivan Almeida, para sentir a vibe da comunidade e aproveitar para compor novas canções.
“Eu e Sollivan vamos ficar mais pra sentir a vibe, conhecer os lugares. Queremos aproveitar para compor umas canções nessa vibe em contato com a natureza. Essa semana nós estamos levando para TV, rádio, e outros meios, o nosso disco e falando sobre o lançamento no Penha Roots”, conta o guitarrista.
Cidade do Reggae
Cidade do Reggae vai levar para o festival o show de lançamento do seu segundo disco, intitulado “Em Todos os Sentidos”. Eles afirmam que estão muito canalizados durante esse período e que o trabalho chega repleto de positividade e verdade.
“Estamos canalizando todos os nossos dias nesse novo show. Espiritualmente e emocionalmente com muito suor. O Penha Roots e todos da região vão receber com muita positividade e verdade o nosso trabalho. Vai ser um prazer começar os trabalhos que tanto nos dedicamos no Caparaó, tenho a certeza que será um ano muito especial para nossa banda”, destaca Alan Reis.
O grupo é formado por Solivan Almeida, no vocal; Alan Reis, na guitarra; Renato Mamede, na guitarra; Leo Santos, no baixo; Daniel Matos, no teclado; e Douglas Lessa, na bateria. Com shows sempre contagiantes, o grupo prepara uma apresentação marcante no Penha Roots.
“Estamos chegando! Queremos compartilhar e receber essa vibe dessa galera! A Cidade do Reggae é contagiante, nos divertimos muito, será um show com pegadas de raggae, roots, sound system e as canções marcantes. O que temos é gratidão, e prepara o salão que o baile está chegando”, finaliza.

Mato Seco promete acender o público em Patrimônio da Penha

O “Penha Roots”, Festival que acontecerá no dia 15, 16 e 17 de fevereiro, traz pela primeira vez ao distrito de Patrimônio da Penha, em Divino de São Lourenço, a banda Mato Seco. Um dos maiores nomes do reggae nacional prepara um show que vai “acender” o público presente.
O grupo foi criado em 2002, do encontro de sete amigos de infância. Na época, não sabiam nada sobre a teoria da música, mas com dedicação cada integrante aprendeu um instrumento diferente e deram início ao projeto de espalhar as mensagens de “resistência”, que acabou tornando-se a marca registrada da banda.
Segundo o músico Rodrigo Piccolo, o grupo vai apresentar o show do DVD “Pronto a Botar Fogo”, que foi lançado em janeiro de 2017. O disco é o primeiro registro audiovisual de um show completo da banda. “Os ensaios só vão acontecer em fevereiro, mas já estamos escolhendo o repertório com todo carinho. A banda ainda não conhece a região do Caparaó, pois infelizmente a agenda não nos permite ter esse prazer. Vamos chegar no dia do show e temos que ir embora no dia seguinte, para cumprir outra agenda”, explica Piccolo.
Com mais de uma dúzia de músicas na boca dos fãs, a Mato Seco se destaca pelas letras bem elaboradas ao lado das mensagens positivas com conotações políticas e sociais, objetivando disseminar a filosofia do bem e da justiça. “Mato Seco vem do ciclo da vida. Todos nós passamos por fases, e Mato Seco é a resistência que se faz presente em nosso cotidiano. Uma árvore dá seu fruto, suas folhas caem, também passa por fases que as fazem ficar Seca, Mato Seco, resistindo até que novos frutos possam chegar. Mato Seco é isso: resistência”, destaca.Hoje, a banda esta entre as grandes potências do reggae nacional. É composta por Carlos Gonçalves, na voz e percussão; Eric de Oliveira, na guitarra, violão 12 cordas e percussão; João Paz, no piano, órgão, teclados e melódica; Junior Ciziniauskas, no baixo; Mauro Peres Jr, na voz e percussão; Rodrigo Piccolo, na voz, guitarra, bandolim, flauta transversal, percussão e gaitas; Srta Paola e Talita Cabral, nos backing vocals, e Tiago Rezende, na bateria e percussão.
Piccolo disse que o reggae é um cenário underground que funciona sozinho, tem seus próprios festivais e um público já fidelizado, mas que o grupo tem notado que a cada ano esse perfil tem mudado, com a presença do reggae em festivais que englobam outros ritmos. E que a banda se sente muito honrada e tem certeza que o “Penha Roots” entra para o calendário de eventos do País.“Queremos dizer que estamos nos sentindo muito honrados com a oportunidade de estrear esse festival que tem tudo para permanecer no calendário de eventos do País. O reggae tem tido uma aceitação em eventos que antes não tinha espaço. Ano passado, por exemplo, tivemos a incrível oportunidade de cantar num evento com Pablo Vittar no mesmo line up. Foi demais. E esperamos que essa mescla aconteça cada vez mais. Pra gente é muito importante”, finaliza Piccolo.

Com energia renovada Lion Jump projeta show de positividade no Penha Roots

“Venha de pensamento bom e coração aberto, para doar e receber positividade!”. Esse é o recado dado pela banda Lion Jump para o público do festival Penha Roots, que acontece durante os dias 15 a 17 de fevereiro em Patrimônio da Penha, distrito de Divino de São Lourenço.

A banda Lion Jump surgiu no ano 2000 em Vitória com a proposta do reggae roots autoral com influencias de música brasileira, levando mensagem de paz, amor e conscientização. Desde então vem trilhando uma carreira com conquistas relevantes, realizando shows em diversas cidades do Brasil e turnê na Europa, onde gravou um clipe documentário na Itália.

Com quatro discos lançados o grupo ganhou maior notoriedade ao participar, em 2014, do programa Superstar da Rede Globo, que teve a cantora Ivete Sangalo como madrinha. Lion Jump é formado por Eliahu na voz e guitarra; Ficore também na voz e guitarra; Karlo Dalla Bernardina na bateria; Kassio Dalla Bernardina na percussão; Uil Mattos no teclado e voz e Léo Sgrancio no baixo.

Será a primeira vez que a banda toca no Caparaó. Ficore é o único integrante que conhece a região e diz que desde que receberam o convite a ansiedade vem tomando conta dos regueiros. “Sabemos da atmosfera de positividade do Caparaó e a riqueza da natureza presente no Patrimônio. Esse é feeling do Lion Jump. O sentimento e as mensagens das nossas musicas são inspirados na luz de Jah, falando de amor, de paz, auto-conhecimento e esperança. A gente está focado nesse show, estudando o repertório com bastante energia boa, para transmitir o que temos de melhor no nosso som”, destaca Ficore.

Em 2016, o Lion teve a soma de novos integrantes e trouxe novidades a sonoridade, adicionando também elementos digitais ao som, aliando a essência do Reggae Roots aos conceitos de dub, rap e outras vertentes. O grupo planeja lançar um novo disco em 2019 e pretende dar uma volta na região para buscar inspiração nas paisagens naturais da Penha.

“A gente chega com várias musicas inéditas falando uma linguagem mais atual do reggae e trazendo na bagagem os 18 anos de estrada com as pedradas roots já conhecidas da galera. Será um show de celebração pra tacar fogo no baile. Esperamos também convites pros picos mais roots possíveis, Jah bless!”, finaliza o vocalista Eliahu.